Um olhar no do mundo do bodybuilding feminino, onde as mulheres se levam ao limite

Confira a visão de Kristy Sexton-McGrath, do site ABC News, que esteve dentro do campeonato de bodybuilding feminino Cairns Tropix na Austrália, e contou um pouco do que viu por lá!

- - - - - -

A primeira coisa que você nota é o cheiro de bronzeado artificial e que todas as superfícies - paredes, pisos, bacias e até mesmo sanitários - estão cobertos de plástico protetor.


Nos bastidores do Centro de Convenções de Cairns, a sala está fumegante e cheia de mulheres com biquínis lindos, pequenos e brilhantes, em saltos altíssimos.

Algumas mulheres estão se exercitando com pesos pesados. Outras estão fazendo exercícios com o peso do corpo, enquanto uma mulher está sorrindo para o espelho do chão ao teto, aperfeiçoando suas poses.

Há um advogado, um policial e várias donas de casa, incluindo Kathryn Bailey, do subúrbio de Cairns, em Brinsmead.

O marido de Bailey está ocupado melhorando seu bronzeado, aplicando um creme grosso e marrom chamado "lama muscular" em seu torso com uma esponja - a razão para o plástico de parede a parede.


Ela também já havia passado duas camadas de spray bronzeados durante o evento e fez o cabelo e a maquiagem - depois de seis meses de dieta rigorosa e exercícios.

"Hoje é tudo sobre se divertir, depois de meses de trabalho duro", disse ela, sorrindo para o espelho.

Está na hora e centenas de pessoas - principalmente familiares, amigos e simpatizantes - estão sentadas, prontas para o show começar.

A policial Heidi Marek também está se preparando para sua vez no palco.

Normalmente, ela está em um uniforme azul da polícia de Queensland, mas hoje ela está usando um biquíni maravilhoso, costurado à mão com cristais Swarovski.

Ela, que é mãe de dois filhos, sempre esteve em forma e viu as competições de fisiculturismo como o próximo passo.


"Eu fiz triatlos, nadei em longas distâncias, mas eu realmente queria fazer algo para levar minhas capacidades físicas e mentais ao limite, e eu encontrei", disse Marek.

"Estou prestes a completar 40 anos e meu objetivo era estar na melhor forma que eu já estive. Tenho certeza que coloquei meu eu de 20 anos pra trás faz tempo."

Esta é a terceira competição que Marek participou em um ano, e ela disse que a dieta rigorosa foi inicialmente um grande choque.

"Eu disse adeus ao álcool, alimentos açucarados e carboidratos sujos, como gostamos de chamá-lo, e nunca me senti melhor", disse ela.


A comida é pesada e consiste basicamente em frango, saladas e vegetais com atum, ovos brancos e um pedaço ocasional de fruta - mas apenas maçãs e bananas.

"À medida que a competição se aproxima, geralmente cerca de cinco semanas antes, eu começo a deixar de consumir todas as frutas e laticínios e a maioria das gorduras como abacate e amêndoas", disse Marek.

Construindo corpos de maneira natural

A competição Cairns Tropix acontece sob a bandeira iCompeteNatural, uma das duas federações de fisiculturismo na Austrália.

Cerca de 20 mulheres estão competindo no evento. Existem várias categorias, incluindo fitness e a seção "mumma".

O organizador Scott Piper está no microfone e apresenta as mulheres quando elas entram no palco, com música ao fundo.

A luz é implacável, destacando cada pequena "imperfeição", enquanto ele instrui as mulheres a fazerem um quarto de giro no palco.

É exaustivo o trabalho segurando as várias poses - os músculos estão tensos, e equilibrar-se nos saltos altos não é fácil.

Há um painel de juízes que estão ocupadas fazendo anotações na frente do palco.

Elas examinam os físicos das mulheres de todos os ângulos e estão à procura de proporção e simetria muscular.

Marek fica em segundo lugar e as três vencedoras são levadas à um pódio no estilo olímpico, onde recebem um medalhão gigante.

Seus filhos e marido acenam entusiasmados da multidão.

A ascensão e ascensão do bodybuilding feminino

O presidente da iCompete Natural Queensland, Jason Woodforth, disse que o número de mulheres participando de competições de fisiculturismo agora supera os homens.

E as mulheres também estão entrando em competições de fisiculturismo mais tarde na vida.

"Nós não costumávamos ter uma competição de mais de 30 anos, mas o fazemos agora, e é por isso que muitas mulheres estão entrando no final dos 30", disse Woodforth.

"Eu acho que muitas pessoas estão usando isso [a competição] como meta, mulheres querendo entrar na casa dos 40 procurando se sentir bem consigo mesmas."

Woodforth disse que o aumento da obesidade na Austrália também está levando as pessoas a se tornarem mais proativas em relação a sua aparência e à saúde em geral. "Esta é uma escolha de estilo de vida e quando você faz as escolhas erradas, você acaba obeso", disse ele.

Marek disse que não poderia participar da competição sem o apoio de sua família, especialmente seu marido, Adrian Marek, que também é um policial.

"A melhor parte do evento é ver o quanto as crianças estão orgulhosas de mim no dia da competição", disse ela.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.