Mas afinal, como o Whey Protein age no meu corpo? Para que ele serve?


A proteína é, normalmente, o primeiro suplemento que alguém toma quando inicia na musculação, normalmente na forma de whey protein. E o que realmente acontece quando ingerimos proteína? Aqui está o que a ciência diz sobre isso...

Desde que começamos a aumentar os pesos e buscar mais ganhos, somos levados a pensar no consumo de proteínas e nos aminoácidos como "blocos construtores" para o crescimento muscular. Isso traz à mente a imagem de um prédio inacabado, sendo construído cada vez mais alto e se tornando mais e mais sólido a cada dose. Mas esta é somente uma imagem. O que acontece mesmo quando ingerimos uma dose de suplemento de proteína no pós-treino?


A metáfora dos "blocos construtores" nos dizem parte da história. De fato, um dos papéis fundamentais do aminoácidos é prover importantes sinais biológicos e bioquímicos para o crescimento e recuperação muscular, especialmente após exercício intenso e esportes de alta performance.

Aqui está o que você precisa saber sobre o papel das proteínas na busca pelo máximo crescimento muscular - e pela recuperação entre treinos intensos.

O anabolismo a seu favor

No curso de um dia, nosso corpo flutua entre dois processos: síntese proteica muscular ou anabolismo, e a quebra muscular ou catabolismo. Ambas são necessárias e inevitáveis. Então não precisar ter tanto medo do catabolismo - faz parte da vida.

Através do tempo, entretanto, a chave para maximizar os ganhos de massa muscular é ter a certeza de que o tempo de catabolismo seja menos do que o de anabolismo. Isso é conhecido como saldo líquido de proteína, ou síntese líquida de proteínas, e quando fazemos as coisas certas, o balanço é positivo, e não negativo.

Depois de ingerir um suplemento de proteína, há um curto e robusto período de tempo em que os aminoácidos no sangue se elevam, tempo conhecido como hiperaminoacidemia, que estimula mais do que o normal a síntese proteica e o anabolismo. Adivinha o que mais estimula os níveis de aminoácidos? Treino pesado! Treinar pesado produz uma reposta anabólica profunda - especialmente quando se consome proteína antes ou após o treino. (ou ambos).

Então, o que há de tão especial na proteína nesta equação? Já houveram muitas pesquisas tentando determinar isso. O componente mais crítico, ao que parece, é o aminoácido leucina.

Leucina é a chave

A leucina é um dos três aminoácidos de cadeia ramificada (BCAA) presentes na proteína, e de longe, é o mais poderoso dos três. A leucina age como uma molécula sinalizadora que estimula o crescimento muscular, primariamente ao ativar o processo anabólico conhecido mTOR.


A leucina contida na proteína do soro do leite é um fator que promove a hiperinsulinemia e apoia a insulina no sangue, o que aumenta ainda mais o anabolismo, ao mesmo tempo em que diminui a taxa de catabolismo. Lembre-se: Tanto o anabolismo quanto o catabolismo estão acontecendo o tempo todo em seu corpo. Tanto pelo aumento do anabolismo quanto pelo catabolismo, a leucina pode ajudar em ambos os lados da escala.

De fato, os pesquisadores concluíram que o conteúdo de leucina em qualquer proteína particular é o que mais determina a resposta de síntese de proteína muscular que seu corpo experimentará.

Então, qual proteína tem os mais altos níveis conhecidos de leucina? Whey Protein, a proteína do soro do leite. Isto, tanto quanto qualquer outra coisa, é porque o whey permanece a proteína dietética pós-treino ideal. Para otimizar a quantidade de leucina que você recebe do seu soro, procure produtos que ofereçam pelo menos 25 gramas de proteína por porção.

Leve sua proteína para o próximo nível

Uma quantidade significativa de literatura científica concluiu que o Whey Protein promove anabolismo, aumento da força, perda de massa muscular e gordura. No entanto, algumas pesquisas indicam que ele também pode ter efeitos positivos maiores em coisas como saúde intestinal e imunidade melhor do que outras fontes de proteína. 

Claro, tudo isso é baseado em seu corpo sendo capaz de digerir a proteína da forma mais eficiente possível. É aqui que alguns avanços recentes na tecnologia de proteínas podem ajudar - como as enzimas digestivas. Quando as enzimas proteolíticas são combinadas com o whey protein isolado, o resultado é uma proteína semi-pré-digerida ou proteína "hidrolisada".

Isso pode ter vários efeitos positivos:


A proteína de soro de leite hidrolisada é absorvida em um ritmo mais rápido a partir do intestino delgado do que proteínas de leite completas. 

A proteína de soro de leite hidrolisada estimula a insulina plasmática duas vezes mais do que as proteínas do leite completas sozinhas. Isso poderia levar à diminuição da degradação muscular e ao aumento do fluxo de nutrientes para o músculo fatigado (promovendo uma melhora na recuperação). 

A proteína de soro de leite hidrolisada provoca a maior disponibilidade de aminoácidos por até três horas após a ingestão. De fato, esse efeito foi 37% maior após a ingestão de proteína de whey protein hidrolisado do que após a ingestão de um suplemento completo de proteína do leite. 

Para se ter uma idéia de como essas enzimas afetam a cinética de absorção da proteína do soro, pesquisas mostram que quando a proteína do soro é combinada com enzimas digestivas, a absorção de aminoácidos aumenta para uma taxa de cerca de 8-10 gramas por hora. Então, se você consumir 20-40 gramas imediatamente após o treino, você deve estar recebendo um fluxo constante de proteína por até 2 a 4 horas depois.

E quanto aos longos períodos de tempo sem nos alimentarmos?

Se você está procurando a maneira mais eficiente de obter proteína para os músculos rapidamente, o whey protein é o melhor caminho a percorrer. Mas e quando você tem longos períodos de tempo à sua frente - como quando dormimos?

Atualmente, não há outra fonte de proteína no mercado que forneça maior entrega sustentada de aminoácidos do que a caseína micelar de alta qualidade. A caseína antes de dormir é um ritual clássico do fisiculturista, e por uma boa razão.

Para não ser confundido com caseinatos de cálcio de qualidade inferior, a caseína micelar é a forma mais pura de proteína de caseína. Proteínas de caseína são sensíveis ao pH, fazendo com que elas engrossem no ambiente ácido do estômago. A capacidade das proteínas de formar um gel no estômago retarda a taxa de digestão das proteínas intactas, proporcionando uma liberação sustentada de aminoácidos na corrente sanguínea.

Esta propriedade única torna a caseína ideal para períodos noturnos ou prolongados ao longo do dia sem proteína. Beber apenas 30 gramas de caseína micelar tem se mostrado ótimo para promover  bons níveis de aminoácidos no sangue por até  sete horas, reduzindo assim o catabolismo de 34 por cento, e aumentar o anabolismo até 31 por cento, durante sete horas após a ingestão.


Fonte: Bodybuilding
Referências
Tipton, K. D., Elliott, T. A., Cree, M. G., Aarsland, A. A., Sanford, A. P., & Wolfe, R. R. (2007). Stimulation of net muscle protein synthesis by whey protein ingestion before and after exercise. American Journal of Physiology-Endocrinology and Metabolism, 292(1), E71-E76.
Morton, R. W., Murphy, K. T., McKellar, S. R., Schoenfeld, B. J., Henselmans, M., Helms, E., ... & Phillips, S. M. (2017). A systematic review, meta-analysis and meta-regression of the effect of protein supplementation on resistance training-induced gains in muscle mass and strength in healthy adults. British Journal of Sports Medicine, bjsports-2017.
Manninen, A. H. (2006). Hyperinsulinaemia, hyperaminoacidaemia and post-exercise muscle anabolism: the search for the optimal recovery drink. British Journal of Sports Medicine, 40(11), 900-905.
Norton, L. E., Wilson, G. J., Layman, D. K., Moulton, C. J., & Garlick, P. J. (2012). Leucine content of dietary proteins is a determinant of postprandial skeletal muscle protein synthesis in adult rats. Nutrition & Metabolism, 9(1), 67.
Sánchez-Moya, T., López-Nicolás, R., Planes, D., González-Bermúdez, C. A., Ros-Berruezo, G., & Frontela-Saseta, C. (2017). In vitro modulation of gut microbiota by whey protein to preserve intestinal health. Food & Function, 8(9), 3053-3063.
Brimelow, R. E., West, N. P., Williams, L. T., Cripps, A. W., & Cox, A. J. (2017). A role for whey-derived lactoferrin and immunoglobulins in the attenuation of obesity-related inflammation and disease. Critical Reviews in Food Science and Nutrition, 57(8), 1593-1602.
Calbet, J. A., & MacLean, D. A. (2002). Plasma glucagon and insulin responses depend on the rate of appearance of amino acids after ingestion of different protein solutions in humans. The Journal of Nutrition, 132(8), 2174-2182.
Brown, M. A., Stevenson, E. J., & Howatson, G. (2017). Whey protein hydrolysate supplementation accelerates recovery from exercise-induced muscle damage in females. Applied Physiology, Nutrition, and Metabolism, (ja).
Oben, J., Kothari, S. C., & Anderson, M. L. (2008). An open label study to determine the effects of an oral proteolytic enzyme system on whey protein concentrate metabolism in healthy males. Journal of the International Society of Sports Nutrition, 5(1), 10.
Boirie, Y., Dangin, M., Gachon, P., Vasson, M. P., Maubois, J. L., & Beaufrère, B. (1997). Slow and fast dietary proteins differently modulate postprandial protein accretion. Proceedings of the National Academy of Sciences, 94(26), 14930-14935.
Kouw, I. W., Holwerda, A. M., Trommelen, J., Kramer, I. F., Bastiaanse, J., Halson, S. L., ... & van Loon, L. J. (2017). Protein ingestion before sleep increases overnight muscle protein synthesis rates in healthy older men: a randomized controlled trial. The Journal of Nutrition, 147(12), 2252-2261.

Um comentário:

  1. Eliza Ane Moreira25 de abril de 2018 16:59

    Amo Whey Protein, desde que comecei a tomar depois dos meus treinos de musculação comecei a sentir mais resultados. Recomendo à todas que me perguntam qual é o meu "segredinho" para esculpir o corpithu kkk

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.