Benefícios da musculação para portadores do vírus HIV

O presente texto tem por objetivo discorrer sobre os efeitos da musculação para portadores de HIV e AIDS, com intuito de contribuir para um melhor entendimento e desmistificação sobre o tema. 


O HIV – vírus da imunodeficiência Humana, teve sua identificação pela primeira vez nos EUA na década de 80. Segundo o Ministério da Saúde até 2009 foram registrados no Brasil cerca de mais de 200 mil casos de mortes relacionados à doença, e acredita-se ter aproximadamente mais de 630 mil portadores. 

O HIV é o vírus responsável pela AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida), doença de característica imunossupressora profunda que leva a uma perda progressiva da imunidade (1). 



Segundo o Dr. Dráuzio Varella, a AIDS traz consigo um cabedal de sintomas oriundos pela redução da taxa de “linfócitos CD4” (células importantíssimas para o sistema imunológico e defesa do organismo), e não obstante, acredita-se que quanto mais à doença progride, menor seja a capacidade do portador defender-se contra diversas infecções oportunistas (2). 

É sabido que os portadores do vírus HIV e AIDS acabam desenvolvendo diversos sintomas com o passar dos anos, inclusive, alguns sintomas acabam agravando-se com o início da terapia antirretroviral (medicamentos usados no tratamento), que é imprescindível para a sobrevivência dos infectados. 

Sintomas causados pelo HIV e AIDS e pela Terapia Antirretroviral

Destacaremos a seguir 04 dos principais sintomas que afetam os indivíduos soropositivos: 

Lipodistrofia: definida como a distribuição da gordura corporal de forma irregular, a lipodistrofia gera mudanças na redistribuição da gordura corporal. Geralmente, provocando um aumento do tecido adiposo na região abdominal, nas mamas e nas regiões viscerais, e também gerar alterações metabólicas como: aumento dos níveis de triglicerídeos, LDL, colesterol total, glicemia, insulina, e redução dos níveis de HDL.

Dislipidemia: alterações no perfil lipídico, que estão correlacionadas com o uso de medicamentos antirretrovirais, representando um fator de risco para o aparecimento de doenças crônicas. 

Síndrome de Wating: perda de massa muscular e peso corporal total. Caracterizada pela perda involuntária significativa do peso corporal total, podendo ser tanto perda de gordura (lipoatrofia) quanto de massa magra (sarcopenia). Essas perdas acabam deixando os portadores debilitados e com incapacidades físicas e de força. 

Osteopenia: perda de massa óssea. Neste caso, os ossos são acometidos por um enfraquecimento, e com isso, tornando-se mais suscetíveis a fraturas e ao desenvolvimento de osteoporose. 

Benefícios da Musculação para os portadores de HIV e AIDS 

Atualmente, não há dúvida quanto aos reais benefícios dos exercícios e das atividades físicas para tal público, e nem contraindicações sobre os portadores de HIV e AIDS praticarem atividade e/ou exercícios físicos. Entretanto, pode acontecer em estágios avançados da doença (HIV e AIDS), que o médico determine que o portador pare com suas atividades físicas. 

Quantos as alterações específicas sobre os sintomas acometidos pelo vírus e o tratamento medicamentoso, a musculação pode agir de forma significativa sobre a lipodistrofia, dislipidemia, síndrome de Wasting, e sobre a osteopenia: 

Musculação e Lipodistrofia: Com a prática habitual da musculação, podemos dizer que há uma melhor adaptação do metabolismo, trabalhando de forma mais eficiente conseguindo com que as enzimas recrutem um número maior de gorduras, além de que tal prática mantém o metabolismo acelerado constantemente, sendo primordial no tratamento da lipodistrofia. 



Musculação e Dislipidemia: já é consenso na literatura que os exercícios intensos elevam o consumo de oxigênio pós-exercício, fazendo com que os níveis de lipídios plasmáticos sejam reduzidos por ser o principal substrato energético do metabolismo em repouso. Portanto, pressupõe-se que a musculação atua beneficamente no combate a dislipidemia. 

Musculação e Síndrome de Wasting: sobre tal síndrome, fica cristalino entender que a musculação é indispensável este tratamento, tendo em vista que a mesma contribui para a manutenção e ganho de massa magra (Hipertrofia). 

Musculação e Osteopenia: a musculação para portadores de HIV e AIDS pode impactar de forma significativa tanto na prevenção quanto no tratamento de doenças relacionadas à densidade mineral óssea, partindo da premissa que a musculação gera um estresse mecânico acarretando eventos osteoblásticos em respostas as tensões nos ossos impostas pelas sobrecargas e, por conseguinte prevenindo a osteopenia. 

Considerações finais 

Depois de evidenciados os efeitos da musculação para portadores de HIV e AIDS, fica claro que tal prática quando realizada habitualmente, e acompanhada por uma equipe multidisciplinar composta por Médicos, Enfermeiros, Nutricionistas, Psicólogos, e Profissionais de Educação Física poderá contribuir significativamente para saúde e qualidade de vida de indivíduos soropositivos. 

Referências 1. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico 2009. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pagina/aids-no-brasil. Acesso em 01/08/2014. 2. Varella, D. AIDS. Disponível em:< http://drauziovarella.com.br/sexualidade/aids/aids/>. 3. Paes, L.S; Borges, J.P. Tudo em cima: exercícios físicos e qualidade de vida com HIV. ABIA, 2010. 4. Souza, H; Marques, D. Benefícios do treinamento aeróbio e/ou resistido em indivíduos HIV+: uma revisão sistemática. Rev. bras. med. esporte, 15(6) p.467-71, 2009. 5. Simões, E; Gomes, A.L.M. Respostas fisiológicas, hematológicas e bioquímicas do portador de HIV a um programa de atividade física orientada. Fitness & Performance Journal, 5(3), p.139-45,2006. 6. Silva Filho, JN. Hipertrofia. Disponível em:< http://www.exerciciofisicocomsaude.com.br/hipertrofia-2/>. 7. Da Silva Filho, J.N. Treinamento de força e seus benefícios voltados para um emagrecimento saudável. Rev. Bras. de Prescrição e Fisiologia do Exercício, 7(40), p.329-38, 2013.Esse conteúdo é de proprieda de http://www.exerciciofisicocomsaude.com.br/

Fonte: Exercício Físico com Saúde. Autor: José Nunes da Silva Filho.



Um comentário:

  1. Nossa, muito, muito, muito boa a abordagem. Parabéns por estarem falando sobre o tema. É a primeira vez que leio sobre isso em um site sobre musculação.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.