9 Silimaridades entre o efeito das drogas ilícitas e do excesso de açúcar no corpo

   O açúcar é um alimento altamente processado e pode ser viciante, assim como as drogas. Não apenas os sintomas comportamentais são os mesmos no abuso do açúcar e das drogas, como os sintomas biológicos também são muito similares.

   Conheça 9 similaridades preocupantes entre o efeito das drogas e do excesso de açúcar no corpo:

1. Eles enchem o cérebro de Dopamina

   Nosso cérebro foi programado para executar certas ações, ações estas que, na maioria, são importantes para a nossa sobrevivência, como comer. Quando comemos, um hormônio chamado dopamina é liberado em uma área do cérebro dando a sensação de prazer e bem-estar. Esta é uma "recompensa" do nosso corpo por estar fazendo aquilo que é necessário para nossa sobrevivência, além de fazer com que desejamos fazer esta ação novamente, ou seja, comer.

   Esta é uma das maneiras que nosso cérebro achou para nos ajudar a sobreviver no ambiente natural, motivando-nos a executar ações que fizessem com a nossa espécie sobrevivesse, e isso é ótimo! Sem a dopamina, a vida não seria tão boa e prazerosa.

   O problema é quando algumas coisas "modernas" funcionam como super-estimulantes de dopamina. Eles enchem o cérebro dessa substância muito mais do que em qualquer outra situação durante todo o processo de evolução. Isto pode levar à séries problemas.

   Um exemplo é quando alguém usa a droga cocaína. Quando ela é usada, enche o cérebro com dopamina e o cérebro muda sua programação para querer a droga de novo, e de novo, e de novo, e de novo...

   A dopamina que deveria guiar as pessoas para instintos de sobrevivência foi "dominada" por um novo estímulo que libera mais dopamina e reforça muito mais este tipo de comportamento repetitivo do que qualquer outro comportamento que aconteceria em um ambiente natural. 

   Mas aqui é que isto fica interessante: o açúcar tem exatamente este mesmo efeito no corpo. Ele também funciona como super-estimulante, enchendo o cérebro com muito mais dopamina do que outro tipo de comida (como uma maçã ou um ovo). 

   O açúcar também tem certos efeitos nas vias de opióides no cérebro, o mesmo sistema manipulado por drogas como heroína e morfina.

   É por isto que algumas pessoas perdem o controle sobre o consumo de alimentos repletos de açúcar.

2. Podem levar à fortes desejos 

   O desejo por algo, quando é forte, é um sentimento muito poderoso. Quando é por certo alimento, muitas vezes é confundido com fome, mas eles não são a mesma coisa. A fome é causada por vários sinais fisiológicos complexos que envolvem a necessidade do corpo por energia e nutrientres, enquanto o desejo ocorre mesmo após uma refeição completa e nutritiva.

   Isso acontece pois os desejos não estão lá para satisfazer os desejos do seu corpo por energia, mas sim, para dar algum tipo de "recompensa" para o seu cérebro.

   Em outras palavras, o seu cérebro te leva à necessidade de mais dopamina - pois está "acostumado" à quantidades enormes do hormônio.

   Ter este tipo de desejo quando o corpo já está cheio não é algo nada natural. É fruto do excesso de consumo de açúcar e não tem nada a ver com fome de verdade. O desejo por alimentos repletos de açúcar é exatamente igual ao desejo por drogas, cigarros e outras substâncias viciantes. A natureza obsessiva e o processo cerebral são idênticos em todos os casos.

3. Estudos com imagens mostraram que alimentos cheios de açúcar mexem com a mesma área do cérebro que as drogas

   Detectar atividade cerebral é difícil, mas não é impossível. Pesquisadores normalmente usam scanners cerebrais específicos para detectar mudanças de fluxo sanguíneo em determinadas áreas do cérebro, indicando atividade cerebral.

   O fluxo sanguíneo no cérebro é diretamento ligado à ativação dos neurônios, portanto, eles podem usar isto para medir quais áreas do cérebro estão sendo ativadas. Através disso, estudos mostraram que açúcar e drogas ativam as mesmas regiões cerebrais quando alguém deseja tanto uma quanto outra coisa.

4. A tolerância à estas substâncias aumenta com o uso

   Quando o cérebro é inundado de dopamina, um mecanismo de proteção entra em ação. O cérebro começa a reduzir o número de receptores de dopamina para manter as coisas em ordem, e este é o motivo pelo qual desenvolve-se uma tolerância por estas substâncias viciantes.

   Isto é muito conhecido quanto ao abuso de drogas, onde as pessoas precisam progressivamente de quantidades cada vez maiores da substância.

   Há certa evidência de que o mesmo se aplica ao açúcar, e é por isso que acaba-se comendo quantidades enormes de alimentos com açúcar de uma vez só. Quem está viciado em açúcar pode também passar pelo problema de não obter mais o prazer normal ao comer algo que não está repleto de açúcar, assim como as drogas deixam de fazer efeito em menores quantidades.

5. Algumas pessoas comem alimentos com açúcar compulsivamente

   Quando viciados se tornam tolerantes aos efeitos das drogas, eles começam a aumentar a dose. Ao invés de uma "dose", eles tomam 2, 3... ou 10. Devido à presença de menos receptores de dopamina no cérebro, uma dosagem maior é necessária para sentir os mesmos efeitos. Esta é a mesma razão para se comer açúcar compulsivamente.

6. "Sensibilização Cruzada": Ratos de laboratório podem trocar drogas por açúcar e vice versa

   A sensibilização cruzada é uma das características das substâncias viciantes. Isto faz com que você possa trocar de uma para a outra, eliminando completamente o vício anterior mas adquirindo um novo facilmente.

   Já notou que tem muitas pessoas que emagrecem ao começar a fumar, ou que param de fumar e engordam rapidamente?

7. Drogas que combatem o vício estão sendo usadas para perda de peso

   As mesmas drogas utilizadas para acabar com vícios estão sendo usadas para ajudar pessoas a emagrecerem. Pois o açúcar é um vício que também pode ser combatido, correto? Exatamente!

   Uma droga recentemente aprovada nos Estados Unidos para combater a obesidade é chamada Contrave. Ela é a combinação de duas outras drogas: Bupropion (é um anti-depressivo efetivo contra o vício no tabaco) e Naltrexone (uma droga frequentemente usada para tratar vício em alcoolismo e opiácios, incluindo morfina e heroína).

8. Falta das substâncias pode levar à abstinência

   Os sintomas de uma crise de abstinência são outro sinal que comprovam o vício. Para passar por uma crise de abstinência, quem está viciado em qualquer tipo de substância deve parar de usá-la completamente.

   Um exemplo é a abstinência da cafeína. Muitas pessoas que são viciadas em cafeína sentem dores de cabeça, se sentem cansadas e facilmente irritáveis se forem mantidas longe da cafeína por um longo período de tempo. Isto também se aplica à aqueles que estão viciados não apenas em drogas, mas também em açúcar.

9. Eles podem danificar a saúde física seriamente

   Alimentos repletos de açúcar não são saudáveis - não há nenhuma dúvida disto! Além de conter açúcar, eles contém pouquíssimas quantidades de ingredientes saudáveis, como fibras, proteínas, vitaminas e minerais. Além disso, este tipo de comida faz com que você ingira muito mais do que o necessário, além de poder causar doenças ligadas ao coração, síndrome metabólica e diabetes tipo 2.

   Isto não é nada controverso, apenas conhecimento comum. Todos sabem que alimentos repletos de açúcar fazem mal mas, mesmo assim, há uma infinidade de pessoas que continuam ingerindo este tipo de alimento em grandes quantidades diariamente. Isto também é comum com o abuso das drogas, onde os usuários também sabem que as drogas estão causando danos físicos, mas usam a substância de qualquer maneira.

   Usuários de drogas tem tanta dificuldade de controlar o consumo quanto quem é viciado em açúcar tem dificuldade de controlar o consumo do açúcar.

Um comentário:

  1. vImpressionante, e verdadeiro. Fico abismada em sentir alguns dos efeitos do vício em açúcar em mim mesma, infelizmente. Acredito que muitas pessoas devem passar por isso e ter que comer aquele pedacinho de chocolate diariamente para não enlouquecer. Eu como :(

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.